Home/ Noticias/ Proposta do patronal piada de mau gosto!

Proposta do patronal piada de mau gosto!

Faltando apenas 13 dias para nossa data base, o sindicato patronal resolveu realizar a primeira reunião de negociação com o nosso Sindicato e, pasmem, para dizer que o setor est falido por conta da crise econômica do pas e, portanto, s poder reajustar nossos salrios em 6%, mesmo assim, dividido em duas vezes. Piada de mau gosto! 
 
Alm dessa indecente proposta, o patronal continuou insistindo na propositura de suprimir as clusulas econômicas e sociais da nossa Convenção Coletiva e, como não poderia ser diferente, foi rechaçada pelo nosso Sindicato. 
 
Chiquinho Pereira, presidente do nosso Sindicato, lembrou aos patrões que não foram os trabalhadores que causaram essa crise. Ao contrrio. At agora são as principais vtimas desse processo que vem se alongando h mais de dois anos.
 
 “Chega a ser desumano o que vocês estão propondo para a nossa categoria. Os senhores acreditam que o trabalhador pode abrir mão da Cesta Bsica que, muitas vezes, a principal fonte de alimentação dos filhos?” Argumentou Chiquinho Pereira, indignado com a frieza dos patrões. 
 
O nosso Sindicato não vai abrir mão dos direitos que constam na nossa Convenção Coletiva de Trabalho e, muito menos, aceitar essa proposta de 6%. “ bom que os senhores reflitam sobre a importância do trabalhador para as suas empresas. verdade que precisamos trabalhar para sustentar nossas famlias, mas, as empresas dos senhores dependem do nosso trabalho, sem o qual elas não existem.” Alerta Chiquinho Pereira!
 
 Diante do impasse, foi marcada outra reunião de negociação para o dia 26 de outubro, s 16 horas, no Sindicato Patronal. A prxima assembleia da nossa categoria est marcada para o dia 28 de outubro, sexta-feira, s 16 horas, na Sede do nosso Sindicato, na Rua Major Diogo, 126, Bela Vista. 
 
At que os patrões apresentem uma proposta aceitvel, continuaremos em Estado de Greve e, caso eles não avancem, nossa categoria est disposta a realizar uma greve de amplas proporções. “Não aceitaremos que mexam nos nossos direitos e queremos, no mnimo, um reajuste vinculado ao INPC”, finalizou Chiquinho Pereira.