Home/ Noticias/ NO ESTADO DE SO PAULO, CHANCE DE ADOLESCENTE

NO ESTADO DE SÃO PAULO, CHANCE DE ADOLESCENTE SER ASSASSINADO DE 85%!

Um estudo realizado pelo recm-criado Comitê Paulista pela Prevenção de Homicdios na Adolescência, aponta que quase 7 mil adolescentes, entre 15 e 19 anos foram assassinados nos ltimos dez (10) anos no estado de São Paulo.

Os dados do estudo realizado pelo referido Comitê, que uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Justiça e Cidadania, da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), apontaram que a probabilidade de um adolescente morrer vtima de um homicdio em São Paulo 85% maior do que um adulto de 30 anos ou mais. Entre as faixas etrias analisadas, os adolescentes aparecem com mais risco de serem assassinados.

Em 2017, 623 meninos e meninas nessa faixa etria (entre 15 e 19 anos) tiveram suas vidas interrompidas. Em 2008, primeiro ano que a pesquisa aborda a taxa de homicdios de jovens, os assassinatos de jovens na faixa etria de 20 a 29 anos, era superior a de adolescentes, (população entre 15 e 19 anos) e de adultos. A taxa de homicdios de jovens, segundo a pesquisa, caiu 36% no perodo at 2017. J a de homicdios de adolescentes variou 2,4%, sendo que em 2017 foi maior do que era em 2008, e a maior taxa entre os três grupos que a pesquisa analisou (crianças e adolescentes, jovens e adultos).

Segundo ainda os dados do estudo, apesar do estado de São Paulo ter conseguido reduzir a taxa de homicdios da população em geral, não conseguiu diminuir o nmero de assassinatos entre adolescentes. No perodo analisado, a taxa de homicdios na faixa etria entre 15 e 19 anos por 100 mil habitantes passou de 19,1 para 19,6.

ADOLESCENTES NEGROS ASSASSINADOS

O estudo do Comitê revela uma questão bastante polêmica no nosso pas: o racismo. Ele aponta uma realidade onde a taxa de homicdios entre meninos dessa idade (15 a 19 anos) em 2017 era de 35,5 mortes por 100 mil, e a de meninas era de 3,1 mortes por 100 mil. No entanto, o dado referente a adolescentes negros era de 23,5 mortes por 100 mil e a taxa de homicdios de adolescentes brancos era de 13,4 mortes por 100 mil. O estudo aponta, lamentavelmente, que a probabilidade de um adolescente negro ser vtima de assassinato 75% maior do que um adolescente branco.

O mapeamento das mortes de adolescentes foi realizado em diversos municpios do estado. Porm, a capital concentra o maior nmero de mortes, totalizando 2.359, seguido por Guarulhos que registrou 355 assassinatos, Campinas com 195 e Osasco com 162. Essa a dura vida de crianças, adolescentes e jovens negros e pobres que moram nas periferias da cidade e em municpios do estado mais rico do pas. At quando vamos conviver com a cruel realidade, onde nossos jovens, que são o futuro desse pas e, portanto, deveriam ser protegidos pelo Estado, serem mortos? Basta! Temos de mudar essa drstica realidade.